https://www.instagram.com/makradio_oficial/?hl=pt-br
Dois suspeitos pela agressão e morte de interno em clínica de reabilitação vão a júri popular em MG
14/06/2022 10:23 em Novidades

Acontece nesta terça-feira (14) o júri popular dos dois últimos suspeitos pela agressão e morte de um interno em uma clínica de reabilitação em Poços de Caldas (MG). O homem de 37 anos morreu em 17 de março de 2018. Quatro pessoas foram acusadas, sendo que duas foram absolvidas em maio de 2021. O julgamento está previsto para ter início às 9h, no Fórum de Poços de Caldas. Os suspeitos que serão julgados nesta terça-feira eram funcionários da clínica onde estava internado. Os dois homens serão defendidos pelo Defensor Público, doutor Adhemar Della Torre Netto. Segundo a Defensoria Pública, os suspeitos são acusados de homicídio qualificado, por meio que dificultou a defesa da vítima, e também por cárcere privado. O Ministério Público será representado pelo Promotor de Justiça, Wagner Iemini de Carvalho. Relembre o caso Álvaro Luís Pinheiro ficou internado na clínica de reabilitação durante meses, mas já havia recebido alta no dia 11 de março de 2018, segundo a família. Seis dias depois teve uma recaída e retornou para a clínica, no dia 17 de março. Ainda conforme os familiares, o proprietário da clínica foi até a casa de Álvaro para convencê-los que o paciente deveria retornar para continuar o tratamento. O interno morreu horas depois e um laudo do Instituto Médico Legal (IML) apontou indícios de violência. No dia 26 de março, o proprietário e um funcionário da clínica foram detidos e levados para a delegacia da cidade. O advogado do dono da clínica afirmou que ele é inocente. Um dia depois, a Vigilância Sanitária suspendeu as atividades no local onde o interno foi agredido e depois morreu. Julgamento e absolvição No dia 25 de maio de 2022, a Justiça absolveu dois suspeitos pela agressão e morte de um interno em uma clínica de reabilitação em Poços de Caldas (MG). Segundo informações da 1ª Vara Criminal de Poços de Caldas, os suspeitos foram absolvidos por negativa de autoria e por ausência de materialidade.

COMENTÁRIOS